quinta-feira, 14 de abril de 2011

COLUNA EXTRAORDINÁRIA DOM O SAUDOSO '' DENI MENEZES''

Deni Menezes presentiou a torcida rubro-anil com suas lembranças.
Foto: Fabio Menezes

"O Bonsucesso F.C. fez parte do bom grupo dos chamados times de menor investimento do Campeonato Carioca. Comecei a vê-lo jogar em 1958, ano em que iniciei a carreira de repórter na Rádio Nacional. Fiz a cobertura de muitos jogos no estádio da Avenida Teixeira de Castro, inclusive à noite. Quando os grandes iam jogar lá a lotação era sempre completa. A exemplo dos outros - Olaria, Madureira, São Cristóvão, Portuguesa -, o Bonsucesso costumava fazer jogo equilibrado com os grandes, embora às vezes todos derrapassem feio.

Quando o Vasco foi supersupercampeão carioca em 1958, em triangular com Flamengo e Botafogo, os jogos foram muito iguais. O Vasco teve dificuldade para ganhar (4 a 2) no turno e só empatou (3 a 3) no returno com o Bonsucesso, e perdeu do Madureira (3 a 1), da Portuguesa (2 a 1) e empatou (1 a 1) com o São Cristóvão.

Formador de valores, o Bonsucesso revelou nos anos 50 o meio-campo Jair Francisco e o ponta-esquerda Quincas, que jogaram no Fluminense, e no início dos anos 60 o goleiro Claudio, que depois de três temporadas de sucesso foi contratado pelo Santos F.C. O apoiador Jaime, que formou o meio-campo campeão de 66 no Bangu, com Ocimar, revelado no Madureira, foi descoberta do Bonsucesso.

No início dos anos 60, o Bonsucesso contratou Pinheiro, zagueiro de sucesso nos anos 50 no Fluminense e na seleção brasileira. Foi iniciativa do vice de futebol Creso Gouvêa, que deu um fusquinha como luvas e pagava três mil cruzeiros ao jogador. Na mesma época, passaram pelo Bonsucesso o goleiro Jonas, o zagueiro Jerry e o ponta Gílbert, que depois foram para o America.

Uma zaga que se destacou no Bonsucesso - Moisés e Paulo Lumumba - foi para o Vasco e o Flamengo no início dos anos 70, depois de terem atuado com o apoiador Amaro, campeão em 60 no America, Jair Pereira(foto) e o uruguaio Danilo Menezes, que também saíram para o Vasco.

No início dos anos 70, o meio-campo Zé Mário se sobressaiu no Bonsucesso e saiu para ser campeão no Vasco, Flamengo e Fluminense. Em 73, Fluminense campeão não saiu do 0 a 0 com o Bonsucesso, que no ano seguinte, Flamengo campeão, fez 2 a 0 e o Flamengo suou para empatar com os gols de Zico e Vanderlei (Luxemburgo), lateral apenas modesto.

A convite de Paulo Ribeiro, vice-presidente do Bonsucesso, fiz um trabalho de assessoria de imprensa, após as contratações de Mickey e Samarone, que eram do Fluminense, onde o dirigente havia ocupado o mesmo cargo. Em 75, o Fluminense só ganhou de 1 a 0 e no returno 1 a 1. No ano seguinte, Bonsucesso 3 x 0 Fluminense, que montou a Máquina, com Rivellino, Doval, Gil, Dirceu, Paulo Cesar e outros.

Fiz amizade com algumas figuras marcantes do Bonsucesso. O atacante Gradim, que jogou com Leônidas da Silva no início dos anos 30 e depois foi técnico de sucesso no Vasco, supersupercampeão carioca de 58. Eunápio, meio-campo do final dos anos 40, mas que só conheci árbitro em meados de 64 no final da carreira dele.

Uma história diferente no futebol, com Eunápio de Queirós e Zizinho em meados dos anos 60. Ele voltava dos Jogos Olímpicos do Japão, em 64, e foi apitar Bangu x Vasco, no Maracanã. Antes de sair para o intervalo, Zizinho disse a um repórter de campo que "o Larápio de Queirós" estava roubando o Bangu. O repórter relatou ao Eunápio antes do início do segundo tempo.
Quando os times voltaram, Eunápio chamou Zizinho e pediu que confirmasse. Zizinho confirmou. E foi expulso. O Bangu jogou o segundo tempo com 10. Um fato inédito na história do Maracanã.

Moacir Barbosa(foto), depois de atuações marcantes no Vasco - campeão carioca em 45, 47, 49 (invicto) e 50 -, campeão sul-americano em 45 e vice-campeão mundial em 50 - jogou no Bonsucesso. Antes dele, outro bom goleiro - Manga, não o que foi do Botafogo - tanto se destacou no Bonsucesso que foi para o Santos, junto com o apoiador Urubatão. E depois de Manga e Barbosa, o Bonsucesso teve outro goleiro negro - Ari -, em 51, que depois foi campeão no Flamengo e no America.

Barbosa, que nunca foi perdoado pela perda da Copa de 50, por causa do gol de Gigghia, em que muitos acharam que ele falhou, teve uma frase: "No Brasil, a pena máxima é de 30 anos. Estou pagando há mais de 40". E até hoje, quando se recorda o episódio, muitos não o perdoam, mesmo depois de morto. Foi em 16 de julho, um mês depois da inauguração do Maracanã. O Brasil fez 1 a 0, jogava pelo empate e perdeu de 2 a 1, diante de mais de 200 mil espectadores.

O Bonsucesso teve outros destaques: o meio-campo Nicola, em 53, que depois saiu para o Fluminense. Os atacantes Vassil, que saiu para o America. O ponta-direita Lino, campeão em 51 no Fluminense. Quarentinha, artilheiro e campeão no Botafogo. O meio-campo Valdemar, campeão em 58 no Vasco. Nilo, ponta-esquerda campeão em 60 no America.

O argentino Armando Renganeschi, zagueiro elegante, segundo testemunham os que o viram jogar no início dos anos 40, foi do Bonsucesso, onde formou o que à época se chamava de trio final com Francisco, Salvador e Renganeschi. Depois foi campeão no Fluminense e no Flamengo, cujo time dirigiu em 65, ano do IV Centenário do Rio, quando foi campeão carioca. Fiz muita entrevista com ele. Era atencioso, educado e de voz mansa. Muito se criticava os argentinos, mas tanto ele quanto Alfredo Gonzalez, meia-esquerda do primeiro tri do Flamengo e técnico do Bangu, campeão de 66, eram figuras amáveis. Gonzalez me dava carona no fusquinha verde de Copacabana a Bangu, onde fiz a cobertura da campanha.

O principal nome da história do futebol do Bonsucesso, que começou a disputar o Campeonato Carioca em 1929, dois anos antes de o profissionalismo ser implantado no Rio, foi Leônidas da Silva(foto), em 1931. Ele disputou as Copas de 1934 na Itália e de 1938 na França. Foi o artilheiro da Copa de 38 com 8 gols e chamado de "O Homem de Borracha" pelos jornalistas franceses ao inventar a bicicleta. Leônidas foi tricampeão carioca - 42-43-44 - no Flamengo e depois se transferiu para o São Paulo, onde encerrou a carreira campeão paulista em 1951.

Estive em algumas viagens com a seleção brasileira na Europa, em meados dos anos 70, quando ele era comentarista da Rádio Panamericana, hoje Jovem Pan.Tempos depois, o Bonsucesso decidiu dar ao estádio da Avenida Teixeira de Castro o nome dele.O chocolate Diamante Negro, até hoje no mercado, foi criado em homenagem a Leônidas.

Meu abraço a todos e saudações rubro-anis, desejando que o Bonsucesso volte ao seu devido e merecido lugar."

''Deni Menezes''

9 comentários:

GUILHERME DE disse...

Ótima matéria do Bonsuça! Valeu Deni Menezes. Dá-lhe Leão Rubro Anil da Leopoldina!!Rogério Santos - Maré\RJ

Herman disse...

Matéria show de bola!!!! Parabéns!!!

Gustavo disse...

Excelente,foi uma nostalgia muito boa ler essa matéria...Grande Mestre Deni Menezes.
parabéns ao idealizador.

Anônimo disse...

Parabéns pela excelente matéria com o mestre Deni Menezes, um dos maiores jornalistas esportivos do Brasil.

ricardo disse...

Exelente materia do Deni e aproveito a deixa para incluir o nome de outro grande goleiro chamado Tião, feito na categoria de base em Teixeira de Castro. Disputou a Taça Guanabara e os Campeonatos de 70 e 71 time esse que tinha o Zé Mário (vide site oficial Zé Mário)conforme informou o Deni Meneses. Nesta época com doze anos, eu era gandula nos treinos e isso me fez gostar deste clube.
Em tempo: O buraco na tela ao lado do gol já existia, para poder pegar as bolas DRIBLE na arquibancada e devolve-las ao Tião. Arquibancada hoje que sento e fico azucrinando os goleiros dos times adversários.
Com emoção,
Ricardo Rilo.

George Joaquim Ferreira Machado disse...

Deni é uma voz inconfundível no rádio e que fez parte de uma era de ouro das transmissões esportivas. Época de grandes apresentações do nosso querido Bonsuça. Valeu Deni!

Anônimo disse...

Companheiros... vcs me assustaram.
O adjetivo "saudoso" costuma ser usado referindo-se a quem já morreu...
Graças a Deus não se trata disso... Deni é um competente jornalista, da época em que falava de futebol quem entendia de futebol... não eram somente garotinhas gostosinhas q iam pra tevê...
Viva Deni... Viva Bonsuça... rumo á primeira...
Sandro Xavier
Brasília / Bonsucesso

LEA FERREIRA disse...

Grande Deni Menezes .

Anônimo disse...

Onde está o Deni Menezes