quinta-feira, 12 de setembro de 2013

LÊONIDAS DA SILVA, 100 ANOS DE HISTÓRIA

Tem clube por aí que diz ter ídolo, mas nunca teve um prata-da-casa se destacando entre os profissionais e virando gênio nos gramados mundo afora. O Bonsucesso teve. E não foi qualquer um. Foi um Diamante Negro. Era assim que ficou conhecido Leônidas da Silva, o inventor da ‘bicicleta’.

Nascido em São Cristóvão, era filho de Dona Maria e do Sr. Manoel Nunes da Silva e na infância era torcedor do Fluminense. Conhecido também como "Homem-Borracha", Leônidas da Silva começou sua carreira em 1923 no infantil do São Cristóvão. Em 1929 passou a jogar pelo Sirio Libanês F.C, mas foi em 1931 que começou a ganhar destaque, quando vestiu a camisa rubro-anil pela primeira vez.

Apesar da curta passagem já que deixou o clube no ano seguinte, Leonidas ganhou o carinho e a admiração de todos. Era um jogador tão completo que até jogou basquete pelo clube da Leopoldina, tendo conquistado campeonato desta modalidade esportiva.

Em 1933 foi jogar no Peñarol, do Uruguai, onde ajudou o clube a conquistar o vice-campeonato. No ano seguinte retornou ao Brasil para jogar pelo Vasco da Gama, o qual ajudou a ganhar o campeonato carioca de 1934.

A sua primeira competição importante com a camisa da seleção foi a Copa do Mundo, em 1934, na Itália. O Brasil fez uma péssima campanha, perdendo logo na estréia e sendo eliminado, mas Leônidas marcou o único gol do Brasil na competição.

Em 1935 mudou novamente de clube, indo atuar no Botafogo, onde conquistou o bicampeonato carioca, e em 1939, pelo Flamengo chegou ao tri-campeonato estadual, por 3 equipes diferentes. No Flamengo, foi um dos primeiros jogadores negros a jogar pelo clube.

Em 1938, foi artilheiro da Copa do Mundo com oito gols, incluindo três marcados contra a Polônia. O Brasil conseguiu a sua melhor participação em mundiais até então, ficando com a terceira colocação. Posteriormente, Lêonidas foi escolhido o melhor jogador do mundial.

Em 1942 transferiu-se para a capital paulista e atuou no São Paulo. Foi cinco vezes Campeão Paulista, tornando-se um dos maiores ídolos da história do Tricolor, sendo homenageado no museu do clube com uma réplica de uma bicicleta que ele executou.

Durante a década de 1940, devido a Segunda Guerra Mundial, os mundiais que seriam realizados em 1942 e 1946 foram cancelados, prejudicando enormemente jogadores como Leônidas, que não tiveram a oportunidade de se tornar conhecidos e reconhecidos mundialmente.

DIAMANTE NEGRO

O apelido de "Diamante Negro" foi dado pelo jornalista francês Raymond Thourmagem, da revista Paris Match, maravilhado pela habilidade do brasileiro. Já o apelido de "Homem-Borracha", dado pelo mesmo jornalista, foi devido a sua elasticidade.

Anos mais tarde a empresa Lacta homenageou-o, criando o chocolate "Diamante Negro", vendido até hoje. A empresa só pagou dois contos de réis à época (o equivalente a R$ 112 mil, aproximadamente), sendo que Leônidas nunca mais cobrou nada pelo uso da marca.

HOMENAGEM

Na semana em que se completaria 100 anos de seu nascimento, Leônidas foi homenageado por duas equipes pelas quais jogou. Pela Série A o Flamengo, diante do Vitória, utilizou uma camisa com a hashtag #Leônidas100 às costas.

Pela mesma competição o São Paulo, contra o Criciúma, concedeu a viúva de Leônidas uma camisa especial e bandeja de prata sobre a data. Foi também lembrado durante o dia 6 de setembro com um Google Doodle, do sítio de buscas Google, além é claro, do Bonsucesso, que conseguiu o acesso à série A justamente no ano do centenário também do próprio clube.


Quer conferir um documentário sobre Leônidas da Silva? Então curte abaixo e viaje nas histórias do Diamante Negro, ídolo do Bonsucesso.

Um comentário:

Herman disse...

Grande heroi rubro-anil.