segunda-feira, 16 de setembro de 2013

DE VOLTA À SÉRIE A, BONSUCESSO MOSTRA ORGULHO EM SER SUBURBANO


No almoço com amigos e torcedores, o assunto ainda é a classificação para a Série A do Estadual do ano que vem. Ao atravessar a rua que separa o restaurante da sede do clube, Cláudio Menezes, presidente do Conselho Deliberativo, recebe cumprimentos, para em uma barraca da feira e compra tangerinas para os funcionários que vão trabalhar na partida contra o Duque de Caxias, pela Copa Rio. A festa nas redondezas da Avenida Teixeira de Castro parece não ter dia para acabar.

— O Bonsucesso é uma família. O Felipão adotou isso para a seleção, mas aqui sempre foi assim — vibra Cláudio Menezes, enquanto distribui as frutas e recebe mais cumprimentos pela vaga na Série A, conquistada no ano do centenário do clube.

Ele caminha até o vestiário, faz um discurso de agradecimento aos jogadores e segue para a arquibancada atrás do gol para assistir ao jogo. Lá já está o presidente José Simões, o Zeca. Quando ouve um comentário sobre a semelhança entre as camisas do Bonsucesso e do Barcelona, não perde a chance de brincar.

— O Bonsucesso é mais antigo. O pessoal lá do Barcelona pediu autorização para fazer uma camisa igual à nossa. Eles só têm um pouco mais de dinheiro, né? — diz, provocando a gargalhada de quem está por perto.

O Bonsucesso não joga bem, mas o dia ainda é de festa. Com pouco público no Estádio Leônidas da Silva, o vendedor de balas dá um tempo no trabalho e vira torcedor. Zeca pede 20 picolés para quem está a sua volta. E já sabe que a despesa será maior no ano que vem.

— Vamos enfrentar os pequenos aqui mesmo. Vai ter mais gente, o vendedor vai ter que aumentar o estoque. Ajuda a matar o calor — brinca Zeca, apoiado pelos amigos. — Clima igual a este não tem mais no futebol. A gente torce e se diverte. Todos se sentem em casa.

O jogo contra o Duque de Caxias, disputado na última quarta-feira, se encaminha para o fim. Com o placar em 2 a 1 para o adversário, e o goleiro rival ouve todo o tipo de provocações, a maioria impublicável. Nada incomoda. De repente, um celular toca. Do outro lado da linha, um fiel torcedor do Bonsucesso que não conseguiu deixar o trabalho num dia de semana à tarde para acompanhar o time de coração.

— É um amigo nosso, professor de História. Se o Bonsucesso vence, ele dá um ponto de presente para os alunos. Com essa classificação para a Série A, acho que ele vai aprovar todo mundo — diz Zeca, torcendo para que os pontos venham mesmo com as vitórias em 2014.

Enquanto a bola rola, a conta do jogo chega. A renda de R$ 520,00 não dá quase para pagar o médico. Zeca Simões puxa o talão do bolso, assina e entrega um cheque em branco para um funcionário acertar as contas com a Ferj. Na última quarta-feira, o prejuízo foi superior a R$ 6 mil. No último domingo, contra o América, na partida que assegurou o retorno à elite do Estadual, faltaram outros R$ 3 mil, pagos pelo que o presidente chama de ‘ação entre amigos’.

— Ano passado, quando jogamos a Série A, recebemos R$ 360 mil de cota de TV. Na Série B, é só prejuízo. Estamos buscando um patrocínio para reforçar o time. O dinheiro é curto. Devemos salários ainda, mas meu grupo é fantástico. Ninguém reclamou de nada — desabafa Zeca, que gasta cerca de R$ 75 mil mensais com o departamento de futebol.

A saída imediata seria negociar um jogador. O lateral-esquerdo Marlon, segundo Zeca, o melhor da posição no futebol carioca, foi sondado pelo Fluminense para atuar nas divisões de base. O sonho do jovem, pelo menos no momento, é outro.

— Quero ficar no Bonsucesso para o Estadual, porque posso aparecer mais. Sou Flamengo, tenho o sonho de atuar no Maracanã. Seria maravilhoso — diz Marlon, que foi pela última vez ao estádio em 2009, quando o Flamengo venceu o Santos por 1 a 0, com direito a dois pênaltis defendidos por Bruno em cobranças de Ganso.

Fonte: Jornal Extra (Leonardo André)

Nenhum comentário: