terça-feira, 31 de julho de 2012

EVALDO RUY ESTÁ DE VOLTA A COMISSÃO TÉCNICA DO BONSUCESSO

 Elenilson Gomes, Baiano e Evaldo Ruy a comissão técnica para a Copa Rio
Foto: André Queiroz


Depois de ter sido anunciado na última semana o desligamento de Evaldo Ruy da comissão técnica do Bonsucesso, o auxiliar-técnico volta atrás, e está de volta a comissão do treinador Baiano.

Para Evaldo Ruy, o trabalho tinha que continuar “Estou passando por um momento difícil em minha vida pessoal, que poderia atrapalhar o desenvolvimento do trabalho, mas voltei e quero ajudar; completou Evaldo.

Bonsucesso ganha mais um auxiliar-técnico

Também na manhã desta terça-feira (31), o auxiliar-técnico Elenilson Gomes, ex-treinador da categoria Juvenil do Bonsucesso, foi integrado a comissão do treinador Baiano.

"É muito gratificante trabalhar com o professor Baiano, e o Evaldo, são profissionais que tem a identidade do clube, e é isso que o Bonsucesso precisa, venho para somar e fazer um excelente trabalho"; completou Elenilson

O Bonsucesso estréia no grupo B da Copa Rio no dia 1 de setembro, quando enfrenta o Olaria, no estádio Leônidas da Silva. Este grupo ainda conta com Mangaratibense, Angra dos Reis e Madureira.



BONSUCESSO REINTEGRA ATLETAS QUE DISPUTARAM O CARIOCA

 Bruno Ferreira e Alex Alves (nº 17) são reintegrados ao elenco do Bonsucesso
Foto: André Queiroz

O elenco do Bonsucesso começou a ganhar corpo para a disputa da Copa Rio. Após anúncio da volta do goleiro Jaime, campeão da Série B 2011, o Bonsucesso anunciou na manhã desta terça-feira (31) a manutenção do meia-atacante Alex Alves e do volante Bruno Ferreira que disputaram a elite do futebol Carioca no primeiro semestre, onde o Bonsuça foi rebaixado.

Ambos os atletas tem contrato com o rubro-anil até o final ano, e estavam aguardando propostas de outros clubes. Como as mesmas não aconteceram, eles foram reintegrados ao grupo do treinador Baiano.

Para o treinador, são jogadores experientes apesar da pouca idade, Alex Alves 24 anos e Bruno Ferreira 22 anos, mais que vão trazer um toque de experiência ao time.

“São atletas que tem uma certa experiência de Copa Rio, apesar da pouca idade de ambos, eles jogaram o Carioca no primeiro semestre, então já se conhecem e o entrosamento é muito importante, são jogadores que estão vindo para somar” completou Baiano.

Comandados pelo preparador físico, Lucio Bento, o meia Alex Alves e o volante Bruno Ferreira já começaram os trabalhos físicos com o restante do grupo, a atividade teve duração de  60 minutos.

O Bonsucesso estréia no grupo B da Copa Rio no dia 1 de setembro, quando enfrenta o Olaria, no estádio Leônidas da Silva. Este grupo ainda conta com Mangaratibense, Angra dos Reis e Madureira.





segunda-feira, 30 de julho de 2012

BONSUCESSO TRAÇA METAS PARA A DISPUTA DA COPA RIO

 Preparador Físico, Lucio Bento e treinador Baiano traçam o planejamento para a Copa Rio
Foto: André Queiroz

Faltando um pouco mais de mês para a estréia do rubro-anil na Copa Rio, quando o Bonsucesso enfrentará o Olaria, no dia 01 de Setembro no estádio Leônidas da Silva, a comissão técnica do clube já traçou o planejamento para a disputa da competição.

"A Copa Rio vem ganhando mais projeção a cada ano e os clubes estão investindo cada vez mais e encarando com seriedade, não apenas pelo prestígio mas também pelas vagas nacionais que são oferecidas. Algumas equipes estão em ação, e aqui vou utilizar o elenco de juniores com alguns atletas experientes que vão chegar para compor o elenco”.

A diretoria do Bonsucesso já apresentou o primeiro reforço para a disputa da Copa Rio, o goleiro campeão da série B 2011, Jaime. De acordo com o presidente Zeca Simões outros atletas virão nos próximos dias;

“Trouxemos o goleiro Jaime, que tem uma ótima idenfiticação com o clube, estamos tentando a manutenção do meia-atacante Alex Alves e do meia Bruno Ferreira, ambos tem contrato com o clube até final do ano. Com certeza faremos uma boa campanha” completa Zeca.

A equipe da Leopoldina estréia no grupo B da Copa Rio no dia 1 de setembro, quando enfrenta o Olaria, no estádio Leônidas da Silva. Este grupo ainda conta com Mangaratibense, Angra dos Reis e Madureira.



sexta-feira, 27 de julho de 2012

DE VOLTA AS ORIGENS, BONSUCESSO APRESENTA PRIMEIRO REFORÇO

Goleiro Jaime é o primeiro reforço do Bonsuça para a Copa Rio
Foto: André Queiroz

Na manhã desta sexta-feira (27), o Bonsucesso apresentou seu primeiro reforço para a disputa da Copa Rio, trata-se do goleiro Jaime Camargo que foi campeão da Série B 2011 e participou da campanha do rubro-anil na elite do futebol Carioca no primeiro semestre. O contrato do goleiro tinha expirado com o fim do Carioca em abril, e estava até então sem clube.

O jogador terá contrato com o Bonsucesso até o final da Série B 2013, em meados de Julho.

Para o goleiro Jaime, o que fez voltar para o Bonsucesso foi à identificação com o clube “Fiz muitos amigos aqui no Bonsuça, tenho um carinho enorme pelo clube, fui campeão no ano passado, e isso me fez voltar.

Para não perder tempo, o goleiro já começou os treinos na manhã desta sexta-feira, com a preparação do treinador de goleiros também campeão da Série B, Ricardo Shimel. “É muito bom, voltar ao Bonsucesso e ainda mais voltar a trabalhar com o Jaime que é um excepcional goleiro, vamos manter o foco e fazer uma excelente Copa Rio, completou Shimel.

A equipe da Leopoldina estréia no grupo B da Copa Rio no dia 1 de setembro, quando enfrenta o Olaria, no estádio Leônidas da Silva. Este grupo ainda conta com Mangaratibense, Angra dos Reis e Madureira.



quinta-feira, 26 de julho de 2012

BONSUCESSO SE REAPRESENTA VISANDO A DISPUTA DA COPA RIO

Ricardo Shimel, preparador de goleiros, Baiano treinador e Lucio Bento preparador físico
Foto: André Queiroz

Na manhã desta quinta-feira (26), o elenco do Bonsucesso se reapresentou no estádio Leônidas da Silva, visando à disputa da Copa Rio, que começa em setembro.

Para o treinador, Jorge Martins, o Baiano esse é o momento de avaliação “Estamos começando um trabalho de avaliação, de um modo geral, de definição do elenco para a Copa Rio. Vamos aproveitar a garotada das divisões de base, haja visto a boa campanha que fizeram até aqui no Carioca.

A comissão técnica da Copa Rio também foi apresentada, o Campeão da Série B 2011, Ricado Shimel volta ao cargo de treinador de goleiros, e Lucio Bento é apresentado como preparador-físico em contrapartida o fiel escudeiro do treinador Baiano, Evaldo Ruy por motivos particulares deixa o cargo de auxiliar-técnico.

Na reapresentação desta quinta-feira (26), o preparador físico Diogo Bento foi o que comandou o jovem elenco rubro-anil. “Começamos com os testes físicos, e vamos aprimorar esse segmento, o grupo teve 30 dias de férias, após o termino do Campeonato Carioca.

O Bonsucesso ainda não tem um jogo-treino definido antes da estréia da Copa Rio, porém, a expectativa é que o elenco esteja na melhor condição para a competição.

A equipe da Leopoldina estréia no grupo B da Copa Rio no dia 1 de setembro, quando enfrenta o Olaria, no estádio Leônidas da Silva. Este grupo ainda conta com Mangaratibense, Angra dos Reis e Madureira.



quarta-feira, 25 de julho de 2012

BAIANO É APRESENTADO COMO NOVO TREINADOR DO BONSUCESSO

 Jorge Martins, o Baiano é apresentado como treinador para a disputa da Copa Rio
Foto: André Queiroz

A diretoria do Bonsucesso Futebol Clube realizou na manhã desta quarta-feira (25), a apresentação do seu novo treinador. Trata-se de Jorge Martins, mais conhecido como Baiano. O treinador chega com a missão de comandar o rubro-anil na Copa Rio, que terá início em setembro. 

Com a missão de salvar o segundo semestre do rubro-anil, o treinador Baiano garantiu que o grupo pode esperar muita cobrança do novo comandante.

 “Conheço bastante os atletas, onde fizemos uma boa campanha no Campeonato Carioca de Juniores, esse será a base da equipe, é claro que precisamos de jogadores experientes para balancear o grupo, e já estamos observando jogadores para dar experiência ao elenco.

A partir de quinta-feira (26) o elenco do Bonsucesso começará os treinamentos no estádio Leônidas da Silva, perguntado sobre contratações o presidente Zeca Simões comenta que nas próximas semanas, alguns nomes que já vem sendo analisados chegarão para compor o elenco.

O Bonsucesso estréia no dia 01 de Setembro, às 15 horas no estádio Leônidas da Silva contra o Olaria, e está no grupo B com, Angra dos Reis, Mangaratibense e Madureira.



terça-feira, 24 de julho de 2012

BONSUCESSO ANUNCIA NOVO TREINADOR PARA A DISPUTA DA COPA RIO

 Jorge Martins e Evaldo Ruy comandam o Bonsuça na Copa Rio
Foto: André Veras

O que já vinha sendo especulado foi confirmado, na tarde desta terça-feira (24), o presidente Zeca Simões anunciou que Jorge Martins,o Baiano, comandará a equipe rubro-anil na Copa Rio,e seu auxiliar-técnico será Evaldo Ruy seu fiel escudeiro.

Para quem não conhece, o Baiano era o treinador da equipe de Juniores no primeiro semestre, onde fez ótima campanha, deixando o Bonsucesso na 5º posição na classificação geral.

Quanto o elenco que participará da Copa Rio, o presidente Zeca Simões anunciou que será uma mesclagem do elenco de juniores, com algumas contratações pontuais, como a de um goleiro experiente, um ou dois zagueiros, um maestro para o meio-de-campo e um centroavante.

Dentro de alguns dias, começaremos os treinamentos, visando à estreia da Copa Rio, dia 01 de Setembro no Leônidas da Silva, faremos uma mesclagem do elenco jovem com jogadores experientes, acredito que faremos uma boa Copa Rio, já pensando no acesso em 2013, completou Zeca Simões.

O Bonsucesso estreia no dia 01 de Setembro, às 15 horas no estádio Leônidas da Silva contra o Olaria, e está no grupo B com, Angra dos Reis, Mangaratibense e Madureira.



COLUNA ''OPINIÃO E HISTÓRIA'' COM GEORGE JOAQUIM


Torneio Aberto de Futebol do Rio de Janeiro

O Torneio Aberto de futebol do Rio de Janeiro ou simplesmente Torneio Aberto foi criado em 1935 e organizado pela Liga Carioca de Futebol (a liga profissional da cidade do Rio de Janeiro) com o objetivo principal de atrair os clubes amadores para o futebol profissional da capital federal, além de medir forças com equipes de outros estados.

O Torneio Aberto foi batizado com esse nome porque permitia a inscrição de clubes amadores, profissionais, e mesmo de clubes de outros estados, como os mineiros Clube Atlético Mineiro e o Villa Nova Atlético Clube ou de cidades fluminenses como Niterói e Nova Iguaçu, em uma época em que o Estado do Rio de Janeiro era separado da então capital do Brasil.

Em 1937, quando o Fluminense Football Club o liderava, o torneio foi dado como encerrado, em função de ter ocorrido a pacificação do futebol carioca e a união das duas ligas de então (AMEA e LCF), selando o profissionalismo no Estado do Rio de Janeiro, motivação maior da existência deste torneio.

Na atualidade há um consenso na mídia da necessidade de redução do número de clubes (de menor investimento) na 1ª divisão do Campeonato Estadual do Rio de Janeiro/Série A, devido a diminuição de torcedores nos estádios. No passado, em defesa de um ideal, os tais grandes jogavam até com equipes amadoras ou representantes de instituições públicas.
Além do Bonsucesso, America, Flamengo (Campeão de 36), Fluminense (Campeão de 35), Atlético Mineiro e Villa Nova/MG, confira as interessantes equipes que participaram nos três anos da organização do torneio:

Anchieta/RJ, Bandeirantes/RJ, Byron/RJ, Corpo de Fuzileiros Navais/RJ, Encouraçado Minas Gerais/RJ, Engenho de Dentro/RJ, Filhos de Iguaçu/RJ, Fluminense de Niterói/RJ, Fuzileiros Navais/RJ, GRE de Samba/RJ, Jequiá/RJ, Leopoldina Railway AA-RJ, Light Tração/RJ, Modesto/RJ, Nacional FC/RJ, Ocerano/RJ, Serrano/RJ, Siderúrgica/MG e Villa Joppert/RJ.


Resgatando a História.

Em 1937, o nosso querido Bonsucesso recebeu o Atlético Mineiro no Estádio de Campos Sales. Os dois se enfrentaram pelo Torneio Aberto do Rio de Janeiro. O “Leão da Leopoldina” papou o “Galo Mineiro”.

Bonsucesso 2 x 1 Atlético Mineiro

Data: 07/07/1937
Local:
Estádio de Campos Sales
Competição:
Torneio Aberto do Rio de Janeiro
Gols: Guará, Paranhos e Gradim.

Bonsucesso: Pinheiro; Ignácio e Camisa; Lamas, Hermes(Durval) e Álvaro; Moacyr(Paulo), Paranhos, Gradim, P.Nunes e Odyr.

Atlético Mineiro: Clóvis; Florindo e Quim; Zezé Procópio, Olavo (Lola) e Bala; Paulista, Alfredo Bernardino, Guará, Nicola e Resende.

Fontes: sites Wikipédia, Flapédia, RsssfBrasil, Blog Jogos do Bonsucesso.

Abração a todos.

"A CRÔNICA CRÍTICA DE UM RUBRO-ANIL" COM DÊRAUÊ


Efemeridades
(porque a última semana concentrou boas doses)

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x

16 de julho


Um jogo, um esporte e uma nação eternizados no silêncio de um estádio inteiro: maracanazo. Mesmo o Brasil abrindo o placar no início do segundo tempo, vinte minutos depois o Uruguai empata e, faltando onze para acabar, vira o jogo. A multidão, a cidade e o país que viu a foto dos campeões nos jornais matutinos daquele domingo custou a acreditar. Tanto que não foram capazes de um ato de vandalismo, um quebra-quebra, uma pedra sequer no ônibus da delegação da Celeste. Respirava-se perplexidade na terra de Santa Cruz.

A culpa era deles, e eles puseram a culpa em quem eles quiseram. Aqui, o Galeano, embora também uruguaio, caiu como uma luva: "carrega nas costas o número um. Primeiro a receber? Primeiro a pagar." Não consta que Barbosa usasse proteção nas mãos, nem que sua reputação como goleiro tivesse sido posta em dúvida antes daquele gol do Ghigghia. Também falaram do Bigode, quem devia marcar o autor do segundo gol. E ainda houve quem reclamasse do Juvenal, o homem da sobra a cobrir o Bigode. Não era coincidência que os apontados fossem, como na música de Caetano e Gil, todos pretos: na Copa de 50, a vitória foi do preconceito. Adivinha quem foi vice?

Ora, pois: como se técnico, médico, massagista e dez jogadores do Brasil não fossem... do Vasco. Estigma de vice? Na época, falava-se que o time da colina não conseguia era ser bi-campeão. 45, 47 e 49 não conseguiram fazer esquecer 46 e 48 na trave, com histórias de entorpecentes em garrafas térmicas e tudo. 1950, portanto, não era o ano... e não foi mesmo. Tanto que o time que tem o nome de um vice-almirante conseguiu ser bicampeão: a final foi disputada em 28 de janeiro de 1951. Mais de 120 mil fizeram o maior público da história do "clássico da paz" e viram a equipe de São Januário fazer 2 a 1 sobre o América. (http://pt.wikipedia.org/wiki/Cl%C3%A1ssico_da_Paz_(Rio_de_Janeiro)).

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x

19 de julho

Não é piada, mas foi quando um grupo de alemães, ingleses, portugueses e brasileiros fundou, em 1900, o primeiro clube de futebol no Brasil, digo, no Rio Grande do Sul. Graças à CBF e ao Sport Clube Rio Grande, é considerado o Dia do Futebol por estas bandas. Parece que, por lá, também.

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x

23 de julho

"A explosão da multidão em júbilo com o apito final e os torcedores invadindo – digo, ocupando democraticamente – o campo, o cheiro de luva na mão após os sinceros cumprimentos ao goleiro (quem ocupa a posição sabe do que falo) e as lágrimas quase infantis daqueles senhores de cabelos brancos e camisas vermelho-azuis compuseram finalmente a foto da qual eu, até então, tinha apenas a legenda - a advertência daquele honrado argentino. E a escolha, até então de consciência, fincou os pés naquele gramado, apesar de irregular, alcançando o coração."



Como bem lembrou o http://fanaticospelocesso.blogspot.com.br/2012/07/230712-ha-01-ano-bonsucesso-conseguia.html, na última segunda-feira registrou-se o primeiro ano da histórica conquista do heptacampeonato da segunda divisão do Rio de Janeiro pelo Bonsucesso Futebol Clube. E foi a primeira vez que eu vi o Leão da Leopoldina campeão, sim, depois daquilo era, ainda que faltasse uma rodada para o fim do campeonato.

Se a Federação impedia a massa rubro-anil de entrar na Bombonera Suburbana, a dona Olga orientava os menos afoitos a buscar a porta da rua de trás. Lá, malandramente, o Russo esperava que o delegado desse as costas para, de um em um, sem correr ou chamar atenção, os torcedores se "infiltrassem" com sucesso. E que sucesso. De virada, pra variar, 2 a 1 sobre o Estácio. Estava nublado, fazia frio, mas a tarde foi brilhante nos arredores da Praça das Nações. Os primeiros raios vieram da Teixeira de Castro.
Que venham os próximos.

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x



segunda-feira, 23 de julho de 2012

23/07/11 - HÁ 01 ANO BONSUCESSO CONSEGUIA UMA DAS SUAS MAIORES GLÓRIAS


UM ANO DO ACESSO!!!

FALA, GALERA RUBRO-ANIL!!!


        E no dia de hoje completa-se um ano da conquista do acesso rubro-anil de volta à primeira divisão do estadual. Lembro ainda muito bem daquele dia como se fosse hoje. Por volta da uma hora da tarde cheguei à Bonsucesso e fiquei aguardando a hora da partida contra o Estácio na maior expectativa.

        Antes da partida fui encontrando um monte de bonsucessensses devidamente trajados com o manto rubro-anil, à espera do início da peleja na Teixeira de Castro. Todos altamente animados com a possibilidade de conquistar o acesso tão esperado com uma rodada de antecedência, o que, para nossa alegria, acabou acontecendo.

        Mais de 1.500 bonsucessensses estiveram presentes ao alçapão Leônidas da Silva e presenciaram o embate diante do time do Estácio; e viram o susto de tomar 1 x 0 logo aos 40 segundos de jogo. Mas depois, felizmente, veio a virada do rubro-anil, e mais a combinação dos resultados de outros adversários, como o Quissamã, por exemplo, o que fez com que o Bonsuça retornasse à elite do estadual depois de quase vinte anos de espera.

        Infelizmente teremos que nos conformar em ver o Bonsuça jogar novamente a série B em 2013, mas a confiança de que ele pode retornar à elite em 2014 está viva em todos nós. Um grande abraço a todos e sempre, saudações rubro-anis!!!!

quarta-feira, 11 de julho de 2012

ANÁLISE DA SEMANA COM ''HERMAN RUBRO-ANIL''.


OS 3 E's (ESPECIALISTA EM EMPATES)!!!

FALA, GALERA RUBRO-ANIL!!!!


Hoje falarei aqui sobre uma especialidade do nosso rubro-anil, especialidade esta que vem se mostrando mais e mais evidente nos últimos campeonatos disputados pelo nosso rubro-anil. Na Copa Rio do último ano, por exemplo, o Bonsuça jogou somente a primeira fase da competição e praticamente só empatou, sendo 1 vitória, 6 empates e 1 derrota em 8 jogos. O Bonsucesso simplesmente terminou a classificação geral em 12º lugar com 9 pontos, sendo o clube que mais empatou.

No campeonato carioca deste ano, o Bonsuça fechou a classificação geral na penúltima posição, com um total de 7 empates ao longo do certame, sendo novamente o clube que mais empatou. Resultado: com tantos tropeços, não obteve pontuação suficiente pra ficar na elite e acabou rebaixado.

A Copa Rio 2012 começa no primeiro dia de setembro. Que os referidos campeonatos sirvam de lição para o Bonsucesso e que, doravante, o vermelho e azul da Leopoldina comece a entrar nos campeonatos pra ser mais combativo e efetivo, conquistando mais vitórias, ao invés de ficar empatando, empatando e empatando. Se continuar assim, vai é seguir empatando o próprio caminho rumo às conquistas...

Desejamos, sinceramente, que o rubro-anil da Leopoldina deixe de ser especialista em empates e volte a ser recordista em vitórias, igual foi na magnífica campanha da série B de 2011, quando fechou o campeonato com o título, conquistando um total de 27 vitórias ao longo de toda a competição, sendo recordista. Grande abraço e saudações rubro-anis!!!



sábado, 7 de julho de 2012

COLUNA ''OPINIÃO E HISTÓRIA'' COM GEORGE JOAQUIM


O Regulamento Deve ser o Mesmo Aqui, Ali e Acolá.

O nome de Leônidas da Silva surge reluzente na Tabela do Grupo B da 1ª Fase da Copa Rio de Profissionais 2012. Depois de passar o 1º semestre sem jogos oficiais do Campeonato Estadual/ Série A por determinação da Federação, o digno, confortável, tradicional e seguro estádio da Teixeira de Castro está liberado, pelo menos até a publicação desta matéria. 

Duas observações passo aos amigos leitores do “Fanáticos”. A primeira é a liberação de nosso estádio para uma competição que não adota a “Lei de Descenso”. A Copa Rio é uma competição sem divisões, organizada de acordo com as classificações do ano anterior das séries A, B e C. Então o que se pode entender é o Bonsucesso não ameaçar mais ninguém como um potencial candidato a brigar por uma vaga de permanência na divisão de elite do futebol carioca. Se o nosso estádio não passou por novas obras para atender uma exigência no período do final do Estadual até o início da Copa Rio, o que pensar dessa liberação? O estádio se apresenta da mesma forma como na data do jogo Bonsucesso 3 x 3 Boavista em Edson Passos. 

A segunda observação é um artigo do Regulamento da Copa Rio. Observem o texto do Art. 10 da competição ao tratar do mando de campo:

Art. 10 - Os estádios utilizados pelas associações durante o campeonato deverão atender às exigências técnicas e de segurança, conforme determina a Lei 10.671 – Estatuto do Torcedor. A falta de apresentação dos laudos técnicos exigidos pela legislação implicará na impossibilidade de utilização do estádio, cabendo à FERJ, nesta hipótese, a indicação de qualquer outro que atenda às normas legais, obrigando o clube mandante a jogar suas partidas no local para onde forem marcadas, ou em caso excepcional, na realização das partidas com portões fechados, independentemente do local para onde forem designadas.”
Estranhei este texto e fui conferir o Regulamento do Estadual de 2012. Este texto não existe para a Série A. O interessante é a finalização do texto citando a possibilidade de se jogar com os portões fechados caso ocorra “o excepcional”. 

Por que o texto do Art. 10 do Regulamento da Copa Rio não está explicitado no Regulamento da Série A? O Poder Público deveria exigir da Federação um Regulamento Único para as competições, obedecendo apenas a individualidade nos critérios de classificação para a obtenção do título.


Resgatando a História.

A casa, São Januário. O jogo, Campeonato Carioca. O visitante, Bonsucesso. A postura, atrevido. O personagem, Arnaldo. O resultado, vitória. Há 70 anos, o Bonsucesso venceu o Vasco da Gama na “colina histórica”. Confira a ficha técnica desta partida: 

Vasco 2 X 3 Bonsucesso

Data: 05/07/1942
Local: São Januário
Árbitro: Durval Caldeira
Gols: Arnaldo (3), Figliola (2)

Vasco: Roberto, Florindo e Oswaldo; Figliola, Noronha e Dacunto; Birila, Ademir, Villadoniga, Ruy e Orlando.

Bonsucesso: Madalena, Aralton e Toninho; Filuca, Paulista e Careca; Lindo, Galego, Arnaldo, Irineu e Odir.

Fontes: Ferj e Blog do Marcão (Ficha Técnica).

Abração a todos.

quinta-feira, 5 de julho de 2012

"A CRÔNICA CRÍTICA DE UM RUBRO-ANIL" COM DÊRAUÊ


Juan Roman Riquelme, confesso (ele, não eu), deixou de ser o mesmo; não delirou quem jura ter visto o Boca entrar em campo de amarelo; a Fiel cumpriu seu papel e embalou o Timão; e o Emerson, definitivamente, tem uma macaca (http://renatomussum.tumblr.com/post/26536056750/boca-campeao-da-libertadores-2012-meus-parabens).

Dizem, porém, que fundamental foi mesmo a torcida do ilustre “doze meias” de Villar dos Teles, ministro Tacleberry. "Dale, Boca!" foi a saudação oficial durante o dia da final. Já não bastava ter usado a camisa personalizada da azurra na final da Eurocopa. Como o dele e dos italianos, azar dos xeneizes.
(No dialeto da Ligúria, noroeste da Itália, xeneizes são os genoveses tais quais os que, trabalhando no porto em Buenos Aires, fundaram a equipe dos bosteros.)

Demasiado seria para este coração, galego de criação, sentir-se campeão duas vezes em menos de cinco dias, ainda mais depois daquele quatro a zero lindo da Roja na Ucrânia. Não, este torcedor convicto do maior dos "pequenos", o intumescível Bonsucesso Futebol Clube, não está acostumado, poderia até desenvolver uma síncope, veja só.

Azar o nosso, o de se envolver e torcer por contendas alheias, à falta dum calendário organizado a partir das necessidades do futebol como expressão de um povo, antes dos interesses das emissoras de TV e dos patrocinadores. À falta dum calendário que permita a todos os clubes - em todos os níveis e divisões dos quais se compõe o planeta bola - correr atrás da pelota durante toda a temporada, sem que tudo pare só para os olhos vidrarem no tubo, no led, no LCD, sonhando ao sol do plim-plim tudo a ver.

Esse brilho, esse luxo, no limite, servem ao entorpecimento daquela vista cotidianamente treinada para reconhecer-se - e deleitar-se - com vitórias tão reais quanto fictícias. Pois tanto a euforia do autor do gol quanto o choro do vice são absurdamente palpáveis, seja na esquina, no estádio ou na TV. Mas por lá ficam. O amor, no entanto, parece uma teimosa semente que cisma germinar por entre as entranhas mais inóspitas, nutrindo-se das lágrimas brotadas por chãos de navalha em vez dos perdigotos de gargalhadas frívolas, e cresce entre ramos e rumos dos mais improváveis. E mesmo na derrota.

Se as vitórias nos apaziguam a tormenta d'alma e aliviam as vias aéreas, em vista dos ares vindouros; sucumbir significa mais redescobrir-se no que não se quer, afirmando-se pelo que se pretenda manter. A vitória do Corinthians, a saber, é muito mais representativa do infortúnio de um futebol nacional autenticamente popular - e, por isso, honrosamente brasileiro. Não porque desrespeite um "estilo" de jogar - estes se forjam e desmancham ao sabor das vagas de treinadores em eterna transição -, mas sim pelo resultado odioso de engrossar o feijão das pilantragens em série proporcionadas pelo conluio entre a entidade (de segurança) máxima CBF com a FIFA, seus suportes financeiros e ainda os braços midiáticos.
(Ganhasse o Boca, poder-se-ia dizer o mesmo, só que em relação ao Futebol argentino).

As siglas, por sua vez, são apenas meios mais longos de se desvendar identidades; estas, as que operam e professam cotidianamente a política, a razão e as paixões do mercado. De José "das Medalhas" Marin, o ser que substituiu don Ricardo Teixeira, ao presidente do Ipicuí do Sul Atlético Clube; a qualquer um pode servir a carapuça. Entre a vala a céu aberto e a obra superfaturada de saneamento, a diferença pode estar no furo do ralo. Ou seria na totalidade do sistema de esgoto?

Há, contudo, os que resistem. Centenas de torcedores se encontraram no Obelisco da capital portenha ao embalo de “Aunque ganes, aunque pierdas, no me importa: yo te llevo dentro de mi corazón”. Camisa dez convicto e capitão honrado, Roman avisou que vai parar, pediu para parar, parou. O vazio declarado entre lágrimas pelo craque se instala no sentimiento boquense sem bater à porta. Riquelme se aposenta de maneira honrada, reafirmando-se bostero de nacimiento. Combatente incansável, embora já ofegante, sabe: sua marca só em muito tempo poderá ser batida, a do jogador que, sozinho, conquistou mais Libertadores do que o Curíntia e todos os clubes cariocas juntos.
Contando até o Bonsucesso.

+-+-+-+-+-+-+-+-+-+-+

E falando em Praça das Nações...

O Fanáticos deu em primeira mão (http://fanaticospelocesso.blogspot.com.br/2012/07/dois-meses-antes-de-comecar-federacao.html); o colunista Herman já repercutiu (http://fanaticospelocesso.blogspot.com.br/2012/07/analise-da-semana-com-herman-rubro-anil.html); mas não é demais fazer coro: se deus quiser e a Federação de Futebol permitir, o Leão da Leopoldina voltará a rugir na Teixeira de Castro a partir do próximo dia primeiro de setembro, pela Copa Rio de 2012. Como adversário, ninguém menos do que o arquirrival alvi-anil da rua Bariri.

O clássico leopoldinense consta na história como o décimo quinto maior público do Campeonato Carioca de Futebol. Numa quarta, feriado do trabalhador de 1968, 155.098 pessoas testemunharam o rubro-anil bater o Olá por um a zero na preliminar de Vasco X Flamengo, partidas válida pela última rodada do primeiro turno. Os olarienses, penúltimos no grupo B, não se classificaram, mas o Bonsuça garantiu o quarto em seu reunido (que contava ainda com Botafogo, Flamengo, América, Campo Grande e Portuguesa, nesta ordem de classificação) seguindo à segunda etapa.

No último confronto, havido passado sábado de carnaval, pelo encerramento do primeiro turno do carioca 2012, tinha mando de campo do Olaria. A torcida – em sua maioria, rubro-anil – teve de se contentar com um empate simples, esperando até os 38 minutos do segundo tempo pela chegada do gol; e o primeiro ainda foi do time da casa. Naquela ocasião, estreava o técnico Marcão (ex-volante do Fluminense) no comando da equipe da Teixeira de Castro, algumas rodadas após sua demissão do Bangu, o pior colocado na Taça Guanabara.

O negócio é torcer para que, desta vez, a banda toque diferente.



segunda-feira, 2 de julho de 2012

ANÁLISE DA SEMANA COM ''HERMAN RUBRO-ANIL''


TABELA DA COPA RIO – 2012

FALA, GALERA RUBRO-ANIL!!!!


E eis que finalmente sai a tabela da Copa Rio versão 2012. E eis que finalmente se concretiza um milagre há muito esperado: o Bonsucesso, depois de um interminável e pra lá de tenebroso inverno, FINALMENTE estreia em casa e vai ser no primeiro dia de setembro. E vai ser contra o Olaria, aonde? Na nossa querida Teixeira de Castro. Isso mesmo, caros amigos. 

O Bonsuça vai poder utilizar o alçapão na Copa Rio (finalmente). Não poderia haver lugar melhor para que nos reuníssemos todos para ver o rubro-anil novamente em ação, depois de quase seis meses (tempo muito longo). 
 
Na sequência da primeira fase teremos o Madureira, em Conselheiro Galvão, depois o Mangaratibense, na Teixeira e o Angra dos Reis em Angra; aí vem o returno com o Olaria na Rua Bariri, Madureira na Teixeira, Mangaratibense, em Mangaratiba e o Angra dos Reis, na Teixeira de Castro. Se o Leão da Leopoldina rugir alto dentro de casa, ganhando todas as partidas, as chances de classificação para a segunda fase serão boas. Só nos resta aguardar agora pelo início do campeonato. Que chegue logo o dia!!!

Avante (sempre avante), Bonsucesso!!!

Saudações rubro-anis!!!



FEDERAÇÃO DEFINE TABELA DA COPA RIO; BONSUÇA ESTREIA CONTRA O OLARIA



Dois meses antes de começar, a Federação de Futebol do Rio de Janeiro divulgou a tabela da Copa Rio. A competição dará ao campeão uma vaga na Copa do Brasil ou no Campeonato Brasileiro da Série D. 

O vice fica com a vaga restante. A competição terá vinte times, divididos em quatro grupos.

Confira os grupos:

Grupo A: Duque de Caxias, Goytacaz, Macaé, Quissamã e Resende.
Grupo B:
Angra dos Reis, Bonsucesso, Madureira, Mangaratibense e Olaria.
Grupo C:
Americano, Audax, Barra da Tijuca, Serra Macaense e Volta Redonda.
Grupo D:
America, Bangu, Boavista, Friburguense e Nova Iguaçu.

Primeira rodada (folgam: Macaé, Angra dos Reis, Audax e America)

01/09 – 15h – Goytacaz x Quissamã – Ary de Oliveira e Souza
01/09 – 15h – Resende x Duque de Caxias – Trabalhador
01/09 – 15h – Bonsucesso x Olaria – Leônidas da Silva
01/09 – 15h – Mangaratibense x Madureira – José Maria de Brito Barros
02/09 – 15h – Serra Macaense x Barra da Tijuca – Cláudio Moacyr
01/09 – 15h – Americano x Volta Redonda – Godofredo Cruz
01/09 – 15h – Boavista x Friburguense – Elcyr Resende de Mendonça
01/09 – 15h – Nova Iguaçu x Bangu – Jânio Moraes




domingo, 1 de julho de 2012

"A CRÔNICA CRÍTICA DE UM RUBRO-ANIL" COM DÊRAUÊ.


 Os últimos serão os primeiros
(mas o quinto lugar não subirá)

Cajá é um distrito do município de Caldas Brandão, quase o meio do caminho das duas principais cidades da Paraíba - 60 km a oeste está Campina Grande; 75 para o leste, a capital João Pessoa.

1985: eleição indireta de Tancredo Neves, que não levou por veto do Departamento Médico. Os motivos de sua morte são tão controvertidos quanto o título do Campeonato Paraibano do mesmo ano. O Treze, time de futebol mais antigo da Rainha da Borborema, questionou na Justiça Comum a realização da competição. Resultado: enquanto os juízes determinaram a divisão do título entre o Galo e o Botafogo de João Pessoa, a Federação de Futebol até hoje não reconhece nenhum campeão.

Resultado: pergunte do sertão até Cajá, fim do agreste paraibano, e o campeão será o Treze. Dali pra Jampa, entra na Zona da Mata, litoral e o título passa ao alvinegro da estrela vermelha.

Vinte e sete anos depois, a história se repete num misto de farsa e tragédia. E, como se não bastasse, ao custo do atraso de um mês no início da Série C (a se iniciar na sexta, 29/6) e de três semanas para o pontapé da Série D do Brasileirão. Curioso é que os últimos na classificação geral foram os primeiros a correr, prejuízo à frente.

Quando a OAB do Ceará - Estado que possui quatro times na Terceirona (Fortaleza, Guarany de Sobral, Icasa e Horizonte) - ajuizou uma Ação Civil Pública pedindo a paralisação das séries A e B do Brasileiro, o calendário - e os orçamentos dos clubes das duas séries inferiores - já tinham uma defasagem de duas semanas. Em termos de grana, só os do Ceará, em 21/06/2012, somavam R$1,6 milhão (http://globoesporte.globo.com/ce/noticia/2012/06/sem-series-c-e-d-prejuizos-de-clubes-cearenses-ultrapassam-r-16-milhao.html).
Qual era mesmo o Estado da OAB?

“Aos amigos, tudo; aos inimigos, a lei; e, de preferência, burlada”

O regulamento do Campeonato Brasileiro da Série D previa, em sua edição de 2011, o ascenso de quatro equipes para a Série C. Tupi (MG), Santa Cruz (PE), Cuiabá (MT) e Oeste (SP) encabeçaram a classificação e, logo depois, havia o Treze da Paraíba.

Na série C, no entanto, nem tudo foram flores. O Rio Branco (AC) se envolveu numa briga de foice após o Ministério Público requerer - e conseguir - a interdição de seu estádio para a presença de público, acarretando punição por parte da CBF.

Recorrendo à Justiça Desportiva, o time do Acre chegou a ter suspensa a punição até o término da primeira fase, quando a sua exclusão foi confirmada. Partindo para a Justiça "comum", o time conseguiu a paralisação de parte da segunda fase da competição, mas um acordo envolvendo ainda a entidade então presidida por Ricardo Teixeira e o STJD reconhecia o exagero na dose e garantiria a permanência do clube acreano, desde que o mesmo desistisse do procedimento iniciado perante a justiça comum. Dito e feito.
Mas nem tanto. 

O Araguaína (TO), último colocado no grupo do Rio Branco durante a primeira fase - quando se deu a punição ao clube acreano, pleiteava manter-se na terceirona buscando no Judiciário a anulação do acordo entre o Estrelão - como é conhecido o time do extremo oeste do país - e a entidade (de segurança) máxima, visando sua permanência na divisão. O Treze da Paraíba, lembrando os tempos de Tancredo, embarcou na onda e também se achou no direito de pleitear a vaga que já não mais havia sido deixada pelo Rio Branco.

Como se não bastasse, o Brasil de Pelotas (RS) também recorreu à justiça comum para tentar reverter a punição sofrida pela escalação de jogadores irregulares na competição - o time perdeu seis pontos e, devido a isso, acabou rebaixado.

Pra formar o sururu, o Rio Branco resolveu entrar de novo na Justiça – acreana, lógico – exigindo da CBF o cumprimento do acordo firmado perante o STJD. 

Ajuizando suas demandas sempre "em casa", na prática os três clubes acabaram obtendo liminares para que fossem incluídos no campeonato deste ano. A resposta da Justiça Desportiva (STJD) foi a suspensão das séries C e D, que já tinham tabela divulgada com antecedência, na forma do Estatuto do Torcedor (Lei 10.671/2003).

Enquanto os presidentes das federações paraibana, tocantinense e gaúcha esperavam o retorno do ora (?) todo-poderoso José Maria Marin de uma viagem à Disneylândia com direito a ver três jogos dum time que lembra uma seleção brasileira de futebol; diversos jogadores se desligavam de vários dos sessenta clubes que participam das duas divisões, seja por cortes de orçamento ou propostas externas. A angústia e as dívidas aumentavam, indefinição persitia.

Os dirigentes, então, conseguiram a desculpa para visitar Copacabana e, de quebra, participar de um rega-bofe na sede da Confederação quando Marin finalmente voltou da Flórida. Aproveitaram ainda a oportunidade alguns políticos como o senador paraibano Vital do Rego Filho, que é torcedor do Campinense - e aí param as coincidências com meu irmão, é preciso dizer.

Após a reunião, e mais algumas conversas, a pressão da CBF através da lembrança aos clubes de que a FIFA odeia qualquer tipo de controle externo levou Rio Branco, Araguaína e Brasil de Pelotas a desistirem das ações judiciais através de uma acordo com a CBF e a Justiça Desportiva. O primeiro permaneceria na série C, e os demais disputariam a D.
Com isso, o STJD liberou a quarta divisão, que começou no fim de semana de São João, o santo mais festejado do Nordeste, em todas as noites de 23 de julho, dois dias depois do dia em que a terra fica mais longe do sol, quando costuma começar o inverno.

Faltou, no entanto, acertar com o alvinegro algarísmico, que não tinha mais chances de jogar a série D novamente este ano, ao contrário dos demais envolvidos (o galo ficou em terceiro no Paraibano). Ora, havia um papel assinado pela juíza da 1a Vara Cível de Campina Grande dizendo:"- O Treze Futebol Clube foi o quinto colocado do Campeonato Brasileiro da Série D, versão 2011, e como consequência, é legitimado a ser contemplado, a título de ascensão, a vaga deixada pelo Rio Branco do Acre." Do mesmo modo, porém, o Rio Branco tinha outro papel em que algo parecido também estava escrito, porém a favor do Estrelão. O time do Acre, no entanto, resolveu acreditar nas palavras do Zé das Medalhas.

E, assim, diante do fato de que três juízos proferiram três decisões obrigando a CBF a fazer três coisas completamente incompatíveis entre si, a Entidade pôde então "escolher" uma - a que, aliás, parece a mais sensata. Afinal, o Rio Branco se manteve na série C ano passado - já que sua punição foi revogada por acordo - e o regulamento das competições previa que apenas quatro clubes ascenderiam na D. Antes de pensar como viável a "letra" do Treze, é preciso lembrar que, caso o Rio Branco fosse excluído da competição, mais lógico seria o Araguaína herdar sua vaga, uma vez que a equipe acreana passaria a último do seu grupo, salvando os tocantinenses do rebaixamento.

No domingo (31/7), o Madureira receberá o Brasil de Pelotas às 15h na Conselheiro Galvão, caso o STJD não suspenda o time do sul pelas "aventuras" na Justiça "comum". Já sábado (30/7), é dia de jogo para o Rio Branco, que jogará em casa contra o Salgueiro de Pernambuco. Enquanto isso, a torcida do galo da Borborema terá precisado torcer na sexta-feira (29/6) para que a equipe não saia do banco – dos réus, perante o STJD – punida e acabe deixando de participar da Copa Paraíba de 2012, a começar apenas em setembro.

O Bonsucesso vai jogar um mês antes, na Copa Rio, como sabem (http://estopim.net/y7/?p=1627).
***
O Friburgunse estreou com vitória fora de casa na Série D, sobre o Guarani de Minas, por placar simples. Já o Volta Redonda, que somente confirmou sua participação no último dia 22, após a desistência do Resende, fará sua primeira partida contra o tricolor serrano, em partida válida pela segunda rodada da peleja. A Federação de Futebol do Rio de Janeiro tem direito a dois representantes na Série D, pelo fato de estar entre as nove melhores no ranking da CBF (http://www.cbf.com.br/media/346814/of%20dco-ger%20306.11%20de%2014.12.11%20-%20rnc%202012%20%28errata%29.pdf). 

Além destes, ainda participam do Brasileirão os quatro assim chamados “grandes” na primeira divisão e ainda Duque de Caxias, Macaé e Madureira na série C. Nenhum time do Rio joga, atualmente, na segundona.

Único time da Paraíba que já jogou a segunda divisão nacional, o Campinense (http://www.campinenseclube.net/) possui torcedores ilustres como o Senador Vital Filho, e o não menos conhecido José Laurentino Neto, também chamado de meu irmão. O rubro-negro da Bela Vista começou perdendo, mas virou bonito e definiu o placar no 2 a 1 contra o Petrolina-PE, num Amigão de público bom para um jogo adiado por um mês que foi parar no domingo depois da noite de São João. 

O destaque da partida, infelizmente, foi a arbitragem, que prejudicou todos os lados: dos times à torcida, que teve de acender isqueiros e luzes de celular para compensar a torre de refletores que permaneceu apagada boa parte do segundo tempo, devido ao risco de sobrecarga e pane no sistema de todo o estádio. A bem da verdade, o juiz paralisou por duas vezes a partida e consultou os capitães quanto às condições de jogo, e estes aquiesceram.
E ainda pode ter gente dizendo que eu não falei de futebol.