sexta-feira, 15 de junho de 2012

"A CRÔNICA CRÍTICA DE UM RUBRO-ANIL" COM DÊRAUÊ


Não é mistério para cobertura jornalística esportiva portenha que a seleção da Argentina possui problemas. Goleiros melhores que Romero, a terra de Martín Fierro tem, pelo menos, uns três. Mas a linha de defesa, sobretudo, é bastante questionada, e o 4 a 3 do fim de semana não deve ter aliviado a sua situação.

Se o problema é a escalação, das duas, uma: ou o técnico não cumpre seu papel convocando os jogadores que se adaptem ao seu esquema tático, ou o técnico não cumpre seu papel formulando a um esquema tático que se adeque aos jogadores de que dispõe. Noutras palavras: se o problema é a escalação, o problema é o técnico.

No Brasil, cada torcedor é um técnico. E cada jornalista deve ter pelo menos uns três torcedores dentro de si. Se algum deles fosse, pelo menos, meio João Saldanha...

O Messi continuaria sendo melhor que o Neymar.


============================================


Os meninos da antiga Estrada do Norte (II)

O fim de semana foi de Corpus Christi, mas o presente foi de páscoa: os juniores do Bonsuça encerraram sua participação no Campeonato Estadual com um verdadeiro chocolate sobre o Friburguense diante da sua torcida na Teixeira de Castro. O resultado - cinco a um - confirmou o rubro-anil na quinta posição da classificação geral, depois de Botafogo, Flamengo, Fluminense e Nova Iguaçu.

A campanha do Bonsuça teve direito a treze vitórias, cinquenta gols marcados e quarenta e um levados. Fez vinte e cinco pontos na primeira fase - também ficou em quinto - mas os vinte e um alcançados na Taça Rio não levaram a nada além de um oitavo lugar nesta etapa. Não fosse a vitória em campo alheio do Macaé na ultima rodada, por três a um, sobre um Volta Redonda que despencou de sétimo na primeira fase para a lanterninha da segunda, o Leão teria conseguido subir mais uma posição.

Entre as três equipes que estiveram diretamente envolvidas na disputa pelo título, o Nova Iguaçu se destacou pela eficiência de sua defesa ao longo do campeonato, que sofreu apenas treze gols na Taça Guanabara e dez na Rio. O Fluminense, campeão da última fase, embora tenha vencido uma vez a menos nesta, aumentou ainda a eficiência de seu ataque e de sua defesa no decorrer dos turnos. Passou de trinta e sete a quarenta e um gols marcados, e caiu de dezenove para catorze sofridos. Já o rubro-negro da praia do Pinto começou bem a competição - foi a defesa menos vazada da Taça Guanabara, com apenas oito gols sofridos. Mas nem com o ataque mais positivo do segundo turno (quarenta e sete tentos) os urubus chegaram a uma pontuação que lhes desse a chance de disputar a final do campeonato, tendo que se contentar com o terceiro.

Os meninos da Teixeira de Castro deram exemplo de determinação e apuro técnico. No último jogo, todos os gols validados respeitaram a máxima do ex-técnico do Bonsucesso e eminente frasista Gentil Cardoso: "a bola é feita de couro, o couro vem da vaca, a vaca come grama. Então vamos jogar com a bola no chão". Observando ainda outro axioma de Gentil, ex-marinheiro de origem humilde como a boa parte dos meninos, estes fizeram da humildade do passe, aliado a uma movimentação envolvente, o caminho mais curto para o gol. Afinal de contas, “quem pede, recebe, e quem se desloca, tem a preferência”.

Como acertadamente lembrou o Herman (http://fanaticospelocesso.blogspot.com.br/2012/06/analise-da-semana-com-herman-rubro-anil_12.html), é basilar para um clube, independente da suposta ideia de grandeza que encerre, apostar nas divisões de base para sobreviver. Em meio a boatos de não participação na Copa Rio (http://www.papoesportivo.com/colunas/radar/050612.htm), ganha força a proposta de aproveitar não só algumas peças, mas o próprio grupo da base com o reforços em posições-chave.
Nos resta esperar pra ver.

***

Tão confiável quanto a própria diretoria da Federação de Futebol é a tabela com os resultados finais da Taça Guanabara divulgada pelo site da entidade máxima do futebol do Rio (http://186.202.17.33/documentos/download/7230.html).  Para se ter uma idéia, lá se conferem onze pontos ao Madureira ao mesmo tempo que marca a seu favor quatro vitorias. Ainda encontram pontuações equivocadas Nova Iguaçu, Fluminense, Botafogo, Volta Redonda, Macaé, Duque de Caxias, Bangu, Olaria, Americano e Friburguense. 

Na planilha  https://docs.google.com/spreadsheet
/ccc?key=0AswhCwZUTgsqdFNCTUNtdGRIXzNNZHVYdFhDQ1hHbFE é possível verifica com detalhes as trapalhadas da trupe herdeira do saudoso Caixa d'água.



2 comentários:

Herman disse...

Fala, Derauê, o nosso rubro-anil precisa mesmo se utilizar desse artifício de negociar jogadores da base, eventualmente. Fazer caixa na Teixeira de Castro é preciso. E vamos fazer fé que os resultados positivos continuem aparecendo nas categorias de base do Bonsuça, porque o clube pode conseguir uns bons jogadores para a Copa Rio, competição em que todos esperamos que o Bonsucesso possa fazer bonito. Grande abraço!!!

Dêrauê disse...

É isso aí, Herman! Rumo à conquista do ascenso no ano do centenário! :D
Grande abraço pra ti também!