sexta-feira, 11 de maio de 2012

COLUNA ''OPINIÃO E HISTÓRIA'' COM GEORGE JOAQUIM


Críticas na 1ª e na 2ª. Só falta a 3ª!

Não só de críticas vive a 1ª divisão de futebol do Rio de Janeiro. A 2ª divisão também passa um momento de questionamentos na fórmula do campeonato. Na divisão de elite o que tornou público foi a questão do número de participantes e a baixa renda. Na “segundona” o problema pelo segundo ano consecutivo é o índice técnico. America e Mesquita entraram com recursos no Tribunal da Federação. 

O America quer o cálculo para o índice revisto em virtude dos WO (eliminação do Teresópolis e suspensão do Carapebus) e o Mesquita, furioso da vida por estar no Grupo X, alega que não há no regulamento que a formação do “grupo da morte” seja por equipes com os piores índices. E o clube da baixada promete continuar a sua luta caso o TJ da Federação negar o seu recurso.

O certo de tudo é que mudanças deverão ser feitas.  Particularmente acho a fórmula da elite horrível. Aliás, essa fórmula de grupos é uma herança da administração da era “Caixa d’água”. O campeonato justo é o de turno e returno com jogos de ida e volta, gerando uma oportunidade de recuperação de pontos caso uma equipe perca o jogo na casa do adversário. 

O ascenso e descenso também deve ter uma mobilidade maior. A segunda divisão está maior, com mais equilíbrio, mais dificuldades e claramente precisa ser presenteada com mais duas vagas na 1ª divisão. A descida e subida de quatro clubes, tornará as competições mais justas e emocionantes. 

O campeonato com doze clubes e pontos corridos, adequado ao calendário nacional, é o número ideal para um campeonato de turno e returno com jogos de ida e volta. Esse número de clubes é histórico em nossos campeonatos. Ousadamente apresento uma proposta para 2014. 

Os “quatro” grandes, o campeão estadual de 2013, que não seja um destes “grandes” e os clubes ascendentes de 2013, estariam assegurados na elite. Os seis ou cinco restantes sairiam de uma seletiva com os dez remanescentes da elite, já assegurados os descensos. O que sobrou da seletiva, segunda divisão.

A segunda divisão de 2013 também precisa ser alterada a sua fórmula de disputa, principalmente na 1ª fase. Esta fase deveria ser regionalizada, permitindo que os clubes participantes reduzissem seus gastos. Imaginem os amigos leitores o campeonato de 2013. Três clubes de Campos, um de Macaé, um de Quissamã, um de São João da Barra, um de Cabo Frio, um de Saquarema, um de Angra dos Reis, um de Barra Mansa. 

Se não subirem dois do grupo “mais distante” e que pelo menos seja um campista, as despesas serão muito grandes já na 1ª fase. Imaginem ainda mais um grupo com duas viagens a Campos e uma a Quissamã ou São João da Barra. No arbitral, o Presidente Zeca Simões deverá marcar presença e quem sabe, liderar um coro para a regionalização da 1ª fase. A redução de gastos será boa para a “capital” e bom para o interior.

Resgatando a História.
►Há 70 anos, no dia 10/05/1942, uma “chuva de gols” caía no campo da Rua Ferrer em Bangu. Madureira e Bonsucesso realizaram um grande clássico suburbano resultando no empate histórico de 6 a 6. Confira a ficha técnica desta partida:

Madureira 6 X 6 Bonsucesso

Data: 10/05/1942
Local: Rua Ferrer
Árbitro: Fioravante D’Ângelo.
Gols: Isaías (3), Murilinho (2) e Jair; Galego (2), Arnaldo (2), Careca e Lindo.

Madureira: Pintado, Jaú e Rubens; Otacilio, Odilon e Esteves; Jorge, Lelé, Isaias, Jair e Murilinho.

Bonsucesso: Maneco, Aralton e Pompeu; Bibi, Waldemar e Filuca; Lindo, Galego, Arnaldo, Careca e Odir.

► Há 43 anos, no dia 10/05/1969, o clássico suburbano ocorreu no Maracanã, sendo preliminar do jogo Fluminense e Bangu. E o Bonsuça venceu essa:

Madureira 0x1 Bonsucesso

Data: 10/05/1969
Local: Maracanã
Juiz: Carlos Floriano Vidal
Gol: Jorge Félix 90’

Madureira: Ubaldo, Luciano, Almeida, Silva e Fernando; Wilson (Farah) e Marcilio; Hélio, Manuel, Zé Pinto e Nodir.

Bonsucesso: Jonas, Luis Carlos, Renê, Paulo Lumumba e Dutra; Fifi e Danilo Meneses; Chiquinho Jair Pereira (Anísio), Jorge Félix e Valdir.

 Fonte Fichas Técnicas: Blog do Marcão.

Abração a todos.

2 comentários:

Dêrauê disse...

Grande Prof. George! Com certeza a proposta é ousada, sobretudo porque privilegia o futebol em vez dos interesses - ocultos ou não - à sua volta.
Queria muito fosse verdade que os demais dirigentes da nossa Federação, pessoas da mais alta probidade, com reputação ilibada, também tivessem essa mesma perspectiva...
Saudações rubro-anis!

Herman disse...

Também acho essa proposta bem interessante. O que deve ser priorizado é o futebol, a competição em si e não o dinheiro, cada vez mais predominante no mundo esportivo, como um todo.