segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

ANÁLISE DA SEMANA COM ''HERMAN RUBRO-ANIL''


VIRADA DE ARREBENTAR O CORAÇÃO!!!

FALA, GALERA RUBRO-ANIL!!!!


E o jogo de sábado foi mais um daqueles jogaços de arrebentar o coração de emoção. Ao adentrar o estádio Moça Bonita, constatei que a galera se espremia toda buscando a todo custo fugir da chuva que caía sobre o bairro da zona oeste. Entram as equipes e o time do Bonsuça estende uma faixa em homenagem ao grande rubro-anil Rafael Marques, desejando-lhe pronta recuperação.

A bola rola no estádio alvi-rubro; o Madureira toma conta do jogo desde o princípio, se mostrando melhor organizado taticamente que o Bonsucesso; o time rubro-anil, por sinal, parece ter entrado em campo mais perdido do que cego em tiroteio. O Bonsuça tem imensas dificuldades de ir à frente; não consegue executar as jogadas com precisão. O Madureira, ao contrário, tem o controle absoluto da bola e do jogo, indo com relativa frequência ao campo rubro-anil e oferecendo perigo.

Mesmo assim, a primeira grande chance do jogo foi do tricolor suburbano aos 24 minutos, quando Bill levantou pela esquerda e Dinei subiu bem alto pra cabecear; pra sorte rubro-anil, a bola se perdeu pela linha de fundo. Enquanto isso, o Bonsuça mal conseguia passar da linha da intermediária, e quando o fazia, fazia muito mal, pois os erros de passe, além de inúmeros, eram grotescos demais para uma equipe profissional de futebol. A torcida, logicamente, começou a vaiar e a xingar veementemente. E com toda razão!!!

Aos 33, acontece o pior; o Madureira chega ao primeiro gol da partida. Tamaré avança pela linha de fundo, o zagueiro Gomes falha bisonhamente e Maciel aproveita a oportunidade para abrir o marcador em Moça Bonita: Bonsucesso 0 x 1 Madureira. O clima, que já não andava bom pros lados das sociais, começou a ficar pior. Houve quem já temesse pelo rebaixamento. Essa é uma palavra que não pode fazer parte do dicionário rubro-anil de modo algum. Temos que evitar a todo custo maus fluidos.

Só no final da etapa inicial foi que o Bonsuça soltou o primeiro relampejo de reação, depois de tanto a torcida encher o saco do time; Diogo se livra da marcação e arrisca um petardo de fora da área. O goleiro Márcio chega a tocar na bola, que explode no travessão e vai pra fora. O lance representou algum alívio para a visivelmente agoniada torcida rubro-anil.

Na volta do intervalo, houve muita gente duvidando da capacidade de reação do time. A bola rolou para a etapa final. Nos primeiros minutos, novamente o Bonsuça se enrolava, tanto no domínio de bola quanto na execução dos passes. E logo no segundo minuto da etapa final, Rodrigo dá uma finta no goleiro Saulo, que significaria o segundo gol certo do Madureira, se Gomes não chegasse a tempo pra evitar.

Substituição no Bonsuça aos 12; entra Marco Goiano, que fora vetado da partida minutos antes. Havia muito o time carecia de uma substituição. Foi uma sábia decisão do técnico Wilson Gottardo. O cérebro rubro-anil estava, enfim, em campo, e foi justamente aí que a sorte do time vermelho e azul começou a mudar. O Bonsuça passou a ser mais arisco, partindo mais pra cima do Madureira e errando menos passes. E o time ganhou a confiança da torcida, que passou finalmente a acreditar numa reação.

E aos 14, o Bonsuça finalmente chega ao gol de empate; numa falta sofrida por Marco Goiano, Márcio Guerreiro cobra com vontade, a bola toca no goleiro e toca no alto da rede, dentro do gol, pouco depois da linha divisória. Estava decretado o empate rubro-anil em Bangu. O placar agora era Bonsucesso 1 x 1 Madureira.

E o Bonsuça definitivamente vai pra cima e não para mais; o rubro-anil agora é o dono absoluto do jogo. A caça virou caçador!!! A torcida se anima e se agita, mesmo debaixo de chuva. Aos 24 minutos, o Bonsuça, de tanto pressionar, consegue a virada: Ranieri puxa a jogada pela direita, cruza, Marco Goiano tenta arrematar mas não consegue e a bola fica livre para Vinícius finalizar e fazer Bonsucesso 2 x 1 Madureira. Era a virada do rubro-anil da Teixeira de Castro. Todo o bairro de Bonsucesso está em festa.

O Leão da Leopoldina ainda tinha gás suficiente pra marcar mais – graças a Deus que não fez sol, pois muitos temiam pela sorte do time justamente no quesito preparo físico –, porém no lance seguinte, Ranieri, que já tinha cartão amarelo, tomou o vermelho, sendo desfalque na quinta-feira, contra o Nova Iguaçu. Mesmo com um jogador a menos o rubro-anil seguiu mantendo o ritmo.

E aos 37, após cobrança de córner, Márcio Guerreiro avança para a linha de fundo, coloca pra trás e a bola acha Ricardo Bóvio que, de primeira, mandou uma tremenda duma bomba no ângulo esquerdo do goleiro Márcio, do Madureira. Chute indefensável. A vitória estava sacramentada: Bonsucesso 3 x 1 Madureira. O zagueiro Zé Carlos, do Madureira, ainda foi expulso, mas nada se alterou: 3 a 1 Bonsucesso, final. Com a vitória o rubro-anil marca os primeiros 3 pontos na competição, se encontrando, provisoriamente, fora da zona de rebaixamento.

Próximo compromisso do Bonsuça é na quinta-feira, contra o Nova Iguaçu, com mando de campo nosso (esperamos que seja na Teixeira de Castro), onde novamente o rubro-anil precisa vencer para na primeira divisão se manter. E desejamos que o time mantenha o padrão de jogo que teve na segunda etapa do jogo contra o Madureira. Grande abraço, amigos!!! Saudações rubro-anis!!!!


2 comentários:

Jose Antonio disse...

Acho que uma vitória sobre o N. Iguaçu vai dar uma tranquilidade para os próximos jogos e menos pressão para o Gotardo acertar o time.
Vi um pouco do jogo do N. Iguaçu com o Botafogo. Apesar de não ser um grande equipe vale destacar que tem um marcação forte e muita velocidade.

Jose Antonio disse...

Sobre o N. Iguaçu:

O Bonsuça não pode ser dar ao luxo de ficar errando passes pois o contra-ataque é muito rápido. É um time muito novo e acho que nisso podemos levar vantagem: tem que valorizar a posse de bola a aproveitar as instabilidades que todo time pouco experiente tem.
Vencer seria um grande passo para sonhos maiores. Lembrando que Olaria e Bangu já começaram o campeonato com problemas...